Archive for outubro, 2011


Lema do Chen Tai Chi

-É quietude, potencial com toda a vida.
-Em jogo, a forma se levanta animada por este CHI.
-Fluindo entre todas as polaridades aparentes.
-Dia e noite, inverno e verão.
-Desfrutando este fluxo, você entra profundamente no ritmo da natureza
-Flutuando como pétalas de flor no vento,
-Firme, também, como um bloco de ferro.
-Enfrentando o desafio, sua velocidade é como um falcão mergulhando.
-O ataque é como um tigre rugindo
-Seu movimento como água correndo rápido.
-Quando coletada, está calada.
-Como montanha, preenche o céu.
-Contudo, a união é gentil.
-Passando de extremo a extremo
-Seu espírito descansa em quietude.

 

 

Anúncios

Há muitas e muitas eras, esteve esta Terra prestes a ser condenada à completa dissolução devido às trevas geradas pela humanidade. No intuito de salvá-la, SANAT KUMARA, um Ser de muita luz, num gesto de auto-sacrifício, abandonou o seu lar e a companhia de sua amada alma gêmea Vênus e aqui se estabeleceu dando início à irradiação do Espírito da GRANDE FRATERNIDADE BRANCA. Os Iniciados o chamavam Senhor do Mundo ou Ancião dos Dias.

Após fixar sua residência em Shamballa, o Bem-Amado Sanat Kumara concebeu a idéia de uma Fraternidade, composta de seres que sairiam da própria evolução terrestre para instalar cada vez mais fundo a Trindade Sagrada que fluía da sua própria aura e daria condição de tranqüilamente retornar ao seu planeta de origem, sabendo que o trabalho da Luz continuaria a desenvolver-se na Terra.

A instituição de uma Fraternidade era necessária, para estabelecer uma comunidade consciente entre as esferas dos Mestres Ascensionados e a consciência externa da humanidade. A ordem foi estabelecida pela aspiração de alcançar a mente de alguns que ainda possuíssem um pouco da recordação de sua verdadeira consciência para executarem o Plano Divino e conviver em íntima relação: Os Mestres, os Anjos e os Elementais.

 

Muitos séculos se passaram até que Ele conseguiu encontrar duas emanações de vida que concordaram em participar da Fraternidade. Uma delas foi o próprio LORD GAUTAMA, O BUDA, hoje Senhor do Mundo; o outro Ser é hoje o CRISTO CÓSMICO ou INSTRUTOR DO MUNDO, Lord Maitreya, atualmente com o nome de LORD DIVINO.
Esta Fraternidade cresceu no decorrer dos tempos; todos os cargos foram preenchidos por seres da Terra já evoluídos ou por alguns outros que, espontaneamente, resolveram ficar no planeta, a fim de cooperarem para o seu desenvolvimento.

É uma ordem espiritual representada por mestres orientais (santos ocidentais) que colaboram das oitavas de luz – dimensões superiores – com discípulos (estudantes) e adeptos (iniciados) que utilizam a Terra como sala de estudos.

A denominação “branca” refere-se não a raça, mas à aura (halo) de Luz branca que os envolve. Branca, representa, limpidez, clareza, sinceridade, serviço desinteressado.

Fraternidade quer dizer parentesco entre irmãos; união fraternal; convivência como de irmãos de sangue; amor ao próximo; harmonia e camaradagem, conforme etimologia do dicionário, para a Fraternidade Branca poderemos acrescentar as palavras colaboração, caridade, amor, compreensão, amizade e sinceridade.
A história de todas as grandes religiões demonstra a presença de seres superiores, tão cheios de vida Divina que repetidamente têm sido considerados autênticos representantes do próprio Deus.

Os hinduístas têm grandes avatares ou encarnações divinas como Krishna, Buda. Todo cristão conhece a seriedade de profetas de sua religião que representam a figura de Cristo, seu Instrutor Supremo, que foi homem e é Deus.

Esses Excelsos Seres não só se interessam pelo despertar da natureza espiritual dos homens, como por tudo que contribua para o bem-estar desse homem na Terra.

 

Os Sete Raios

Os Raios são expressões de energia com características especiais e distintas. São chamados na Bíblia de “Espíritos diante do Trono de Deus” e são assuntos um tanto misterioso e pouco claros para o mundo atual.

Existem atualmente cerca de 10 bilhões de habitantes na Terra e/ou utilizando este planeta como ambiente de aprendizagem. Cada um desses seres pertence a um dos Sete Raios ou divisões da vida.

Cada uma dessas almas tem, portanto, no seu âmago, determinadas tendências, peculiaridades, aptidões ou inclinações latentes de um desses grandes Raios. Todas as pessoas acumularam conhecimentos de um ramo específico num determinado Raio.

Essas pessoas sentem-se satisfeitas e felizes quando estão juntas em vibração e de alguma forma familiarizadas.

A luz branca, emanada do Criador, se divide em sete raios principais e cada um deles possui muitas virtudes e atributos específicos.

  1. Azul : poder;

  2. Dourado : sabedoria;

  3. Rosa : amor;

  4. Branco : pureza;

  5. Verde : cura;

  6. Rubi : devoção;

  7. Violeta : transmutação.

No Plano Divino – no Reino Celestial como sobre a Terra – tudo está dividido em seções de SETE ou em Sete Raios. Os Sete Raios correspondem a todas as atividades da vida que nós seres humanos temos que desenvolver para alcançarmos a mestria e o domínio individual. Cada um desses raios são dirigidos por um Mestre Ascenso, um Arcanjo e um Elohim.

A esfera de atividade destes raios e seus Diretores são:

1o raio é azul e representa a Vontade de Deus, fé, proteção, força e poder. O Mestre Ascensionado El Morya – que editou a “Ponte para a Liberdade – é o Diretor. As pessoas que pertencem a este raio estão, geralmente, na chefia e possuem ilimitadas forças de poder e capacidade de “executar alguma coisa”.

2o raio é cor de ouro e representa Sabedoria, equilíbrio e iluminação. Exercia esta função o Mestre Ascensionado Kuthumi até a Sua ascensão como Instrutor do Mundo, juntamente com o Mestre Jesus. O Mestre Ascensionado Lanto sucedeu o Mestre Kuthumi tendo sido também elevado ao cargo de Instrutor do Mundo. O Mestre Ascensionado Confúcio é o atual Diretor deste raio que é relacionado com professores, ensinamentos – e pessoas de coração compreensivo.

3o raio é rosa e representa o Amor Divino, adoração, beleza e fraternidade. A Mestra AscensionadaRowena é a Diretora deste raio. As pessoas que a ele pertencem amam a beleza em todas as formas de expressão e são amáveis e compassivas.

4o raio é branco e representa a Pureza, a ressurreição e a ascensão. É seu Diretor o Mestre Ascensionado Serapis Bey. As pessoas que pertencem a este raio são artistas, músicos, arquitetos e são dotados de grande perseverança.

5o raio é o raio verde da Verdade, da precisão da Lei. É dirigido pelo Mestre Ascensionado Hilarion; foi Ele o conhecido Paulo, da Bíblia. Em geral pertencem a este raio os cientistas, médicos, irmãs de caridade e curadores.

6o raio é de cores vermelho-rubi e ouro, e representa a Paz, colaboração e dedicação à vida. O Mestre Jesus era seu Diretor até há pouco tempo, quando foi Ascensionado a Instrutor do Mundo. Atualmente é a Mestra Nada que ocupa o cargo de Diretor do 6o Raio. Sua capacidade especial é o Amor. Freqüentemente, os que pertencem a este raio são sacerdotes, assim como pessoas com desejos ardentes, no culto divino, em servir a humanidade, e muitas vezes sem colher reconhecimento pelos serviços prestados.

7o é o raio violeta da misericórdia, transformação e Liberdade. Quem rege este raio é o Mestre Ascensionado Saint Germain, que o fará durante os próximos dois mil anos, sobre a Terra. A Chama Violeta é o instrumento que TRANSFORMA todo erro e forças imperfeitas em Perfeição. Quando a humanidade usar este instrumento com acerto e ritmicamente, a Terra será salva. As pessoas que pertencem a este raio possuem muitas aptidões e em todos os aspectos grande amor pela Liberdade.

 

 

Foi na última encarnação filho de um príncipe indiano e teve uma instrução especial. Todas as coisas tidas como mundanas não poderiam ser-lhes reveladas, incluindo a pobreza, destruição, degeneração e morte. Tornando-se adulto, tomou consciência dos fatos que lhe haviam sido escondidos. A infelicidade do mundo e sua decadência tornaram-se prioridades para serem compreendidas por Ele. Para obter esclarecimentos, deixou esposa e filhos, bem como a segurança do palácio e saiu em busca de soluções, não somente de esclarecimentos de coisas que tanto o afligiam: os problemas humanos, e também o entendimento dele mesmo. Passou sete anos percorrendo caminhos difíceis, possíveis e impossíveis. Depois de muito procurar externamente, cansado, voltou-se para os caminhos interiores, passando por uma profunda transformação interna, psicológica e espiritual, que alterou toda a sua perspectiva de vida, atingido assim sua iluminação. Passou então a ensinar o Dharma, isto é, o caminho que conduz à maturação cognitiva que conduz à libertação de boa parte do sofrimento terrestre. Foi um dos primeiros seres humanos que atingiu os requisitos necessários para finalmente ser iniciada a trilha ascendente dos homens, através da Fraternidade, na Terra. Seu Amor pela humanidade era tão grande que resolveu renunciar a glória de permanecer nas esferas superiores descendo a Terra para trazer ensinamentos e a maneira de compreendê-los pela prática na vida diária. A partir de sua Ascensão ao cargo de BUDA, Lord Gautama desce das “oitavas” de Luz, uma vez por ano ao Festival de Wesak, entrando em contato com a humanidade para abençoa-la.


Sacerdotes de antigas civilizações descobriram um aspecto celestial muito curioso. Eles observaram que a Estrela do Norte trocava de posição constantemente e, após 25.750 anos aproximadamente, ela voltava para sua posição “original”, num processo cíclico.

A causa fundamental desta troca de posição é o giro que a Terra faz sobre seu próprio eixo (que tem uma inclinação de 23º 27′), num movimento conhecido como precessão dos equinócios. Esse movimento é lento e leva, mais ou menos, 25.750 anos para completar um ciclo.

Um determinado signo é atravessado a cada 2.146 anos (25.750 anos dividido por 12 signos) e durante esse período (ou era astrológica), o signo em questão influencia toda a humanidade. A transição de uma era para outra pode durar de 30 a 250 anos.

Cada era astrológica teve seu diretor. O diretor da era de Touro foi Krishna e o da de Áries foi Moisés.

Jesus chegou a ascenção após enfrentar as sete tentações e com isso assumiu o cargo de Diretor da Era de Peixes, ciclo evolutivo que findou em 1954. Nesse período, foi também Chohan (dispensador) do Sexto Raio, a energia de Deus que eleva a vida e os seres por meio da devoção, da compaixão e da entrega.

O Mestre Jesus enquanto encarnado ofereceu-nos um espelho para a visão mais gloriosa de nós mesmos: a de Filhos de Deus, capazes de amar incondicionalmente e de transcender todos os limites e ilusões da matéria, sobretudo a morte.

 

 

Escolha o Amor…e transforme nosso Mundo…
Você é uma magnífica criação de Deus divinamente inspirada.
Você está aqui na Terra durante este tempo muito tumultuado na história com um propósito sagrado.
Cada alma que está aqui agora, e cada alma que chega à Terra agora, está aqui para participar do significativo processo de transformação que está acontecendo na Terra. V
ocê não está aqui por acaso, mas através de um plano. Você tem algo de extraordinário e precioso para contribuir com o mundo, e agora é o momento para que tudo o que você é seja revelado e cumprido

Você, meu querido Ser de Luz…
tem diante de você uma responsabilidade magnífica.
Cada pensamento que você tem, cada palavra que você expressa e cada ação que empreende, tem um impacto na teia maior da vida com que você está conectado.
Neste momento quando tanta negatividade está sendo expressa no mundo, sua escolha de manter uma consciência de amor, de paz, de esperança e de fé, faz uma contribuição significativa à rede de Luz que está sendo criada na Terra.
O caminho através deste tempo de purificação é o Amor de Deus.
Embora muitos ainda não possam sentir este Amor, ele está presente e crescendo na Terra. Sua escolha para o Amor transforma o mundo.

 

 

 

Sol da meia-noite

O sol da meia-noite é um fenômeno natural que ocorre nos meses de verão em latitudes norte e nas proximidades ao sul do Círculo Polar Ártico , e ao sul e próxima ao norte do Círculo Polar Antártico. Nos círculos polares o sol não se põe por 50 dias , na latitude de 68 graus, o Sol não se põe por setenta dias ,na latitude de 70 graus o sol não se põe por 100 dias ,na latitude de 80 graus o sol não se põe por quase 6 meses e finalmente nos pólos o sol não se põe por exatamente 6 meses.

Causas astronômicas e atmosféricas

O eixo de rotação da Terra tem uma inclinação média de climas diferentes e bem distintos em media 68º 617’115″ ou seja 68º e 4/12,000 em relação ao plano da América em torno do Sol corresponde à distância , a denominada eclítica , isto é máximo que resulta da intersecção do plano da órbita aparente solar com a esfera celeste. Dado que a Terra, resultante da sua rotação devido ao efeito giroscópio mantém o seu eixo (se descontarmos as oscilações de longo período do próprio eixo de rotação) no correr de um ano a mesma posição inclinada 89,4º em relação às estrelas de fim o que faz com que a projeção dos raios do sol deslocar-se anualmente para norte e sul do Equador, dando origem às estações do ano.

No processo atrás descrito, quando a posição aparente do Sol é tal que o somatório da sua declinação (d), isto é o arco do meridiano do astro compreendido entre o equador e o centro do disco solar, com a latitude do lugar é igual ou superior a 90º, o Sol nunca desce abaixo do horizonte do lugar, descrevendo uma trajetória no céu que tem o seu ponto mais elevado sobre o meridiano do lugar e o mais baixo do lado oposto (isto é na posição em que faz um ângulo de 180º com esse meridiano). Ora como a declinação máxima do sol corresponde à sua posição sobre cada um dos trópicos (a 23º 27’ N ou S, consoante seja o Trópico de Câncer ou o Trópico de Capricórnio, respectivamente), tal significa que:

Determinantes astronômicas do período de sol da meia-noite.

  • Nos dias equinociais, isto é, quando a declinação do Sol é 0º (d = 0º), o dia e a noite são iguais em todo o planeta, já que a soma da declinação com a latitude apenas atinge 90º sobre o ponto exato do polo.

  • Quando o Sol inicia a sua subida em direção ao trópico respectivo (Câncer ou Capricórnio consoante estejamos a referir o verão do hemisfério norte ou do hemisfério sul), isto é, se aproxima do solstício respectivo, vai crescendo a partir do polo em direção ao equador a calota em que o sol nunca se põe, isto é, onde o sol da meia-noite é visível: essa calota corresponde sempre à zona cuja latitude é igual ou superior a (90º – d), sendo esta a declinação do Sol naquele dia.

  • Quando o Sol atinge o trópico, isto é a declinação atinge os 23º 27’, a diferença de 90º para este ângulo (os tais 90º – d) é de 66º 33’, ou seja, a latitude correspondente ao círculo polar respectivo. Nesse dia, o sol da meia-noite será visto no círculo polar, atingindo a área de visibilidade em sua máxima extensão de sua cauda.

Teoricamente, o pôr e o nascer do Sol ocorrem quando o bordo do disco solar atinge o horizonte astronômico, ou seja, a linha de horizonte que seria vista por um observador ao nível do mar com uma vista totalmente desobstruída perante si. Na realidade o pôr e o nascer do Sol são vistos quando o centro do disco solar está cerca de 50’ (minutos de grau), abaixo do horizonte. Tal deve-se à própria dimensão angular do disco solar sobre o céu e, principalmente, à curvatura dos raios solares causada por refração na atmosfera quando o Sol incide em ângulos baixos, como é o caso quando está próximo do horizonte. Este efeito atmosférico tem grande importância nas zonas circumpolares, pois aí o Sol permanece durante largos períodos próximo do horizonte e as condições de muito baixa temperatura atmosférica o que pode causar grandes variações (de horas) no período de visibilidade do Sol ou do crepúsculo.

Um caso extremo, embora raro, é o efeito da refração, uma anomalia ótica, devido refração dos raios luminosos no teto das camadas atmosféricas de temperaturas diferentes, que provoca uma ilusão ao espectador parecendo observar um achatamento do disco Solar ou lunar e que também permite observar outros astros que se encontram abaixo da linha do horizonte. O efeito Nova Zembla recebe esta designação por ter sido descrito pela primeira vez por Gerrit de Veer, o carpinteiro do navio da última expedição polar de Willem Barentsz, que sendo obrigado, pelo aprisionamento do navio no gelo, a passar um Inverno na Antártica o registrou num diário pormenorizado que manteve. Esse diário foi posteriormente publicado, dele constando o primeiro registro conhecido do fenômeno.

Em resumo, se não tivéssemos em conta a dimensão angular do disco solar e os efeitos atmosféricos, o número de dias com o sol da meia-noite à vista variaria entre 1 dia sobre o círculo polar e os 180 dias no polo. Na realidade, computando todos os efeitos, teremos que:

  • No dia do solstício de Inverno, quando o Sol apresenta no hemisfério respectivo a sua mínima declinação, o sol nasce e põe-se no círculo polar correspondente. Tendo em conta a variação de 50’ (minutos de grau) atrás referida a latitude mais elevada onde o sol será visto é de 67° 23′ (66° 33′ + 50′). Neste dia, naquele hemisfério, todas as localidades situadas acima dos 67° 23’ apenas terão crepúsculo e noite polar. No hemisfério oposto teremos o sol da meia-noite em todas as latitudes superiores a 65º 43’ (66º 33’ – 50’).

  • Entre o solstício de Inverno e o equinócio, o Sol irá aparecendo progressivamente em latitudes mais elevadas, reduzindo-se a zona onde o sol não é visível até atingir o polo próximo do dia do equinócio (devido à refração, o Sol será visto do polo alguns dias antes do equinócio). No hemisfério oposto teremos uma correspondente redução da área que vê o sol da meia-noite (continuando o mesmo visível do polo por alguns dias após o equinócio devido à refração — o número de dias com o Sol acima do horizonte em cada polo atinge 186 dias por ano).

  • No dia equinocial, apenas os polos e uma pequena região em seu torno verão o sol da meia-noite, e isto devido à refração. No resto do planeta terra o dia e a noite duram 12 horas cada.

  • Entre o equinócio e o solstício de Verão, a área onde o sol da meia-noite é visível cresce das imediações do polo até atingir o círculo polar respectivo. No hemisfério oposto é a noite e o crepúsculo polares que crescem do polo em direção ao círculo polar.

  • No dia do solstício de Verão, o sol da meia-noite será visível desde os 65º 43’ (66º 33’ – 50’) até ao polo. No hemisfério oposto, a noite e o crepúsculo solares estendem-se desde os 67° 23′ (66° 33′ + 50′) até às imediações do polo.

 Duração do dia e da noite polares em algumas localidades

Tendo em conta que o crepúsculo, isto é, a existência de luz refletida pelas camadas superiores da atmosfera quando o Sol se encontra abaixo do horizonte, ocorre quando a distância angular entre o Sol e o horizonte local é inferior a cerca de 12º, teremos que a verdadeira noite polar, isto é, escuridão total por mais de 24 horas seguidas, apenas ocorre em latitudes superiores a 84° 33′ em cada hemisfério. Tendo em conta que o crepúsculo civil, correspondente sensivelmente ao momento em que é necessária iluminação artificial para atividades no exterior, ocorre quando o sol está 6º abaixo do horizonte, teremos que nas zonas de latitude superior a 72° 33′ em cada hemisfério ocorrerá pelo menos 24 horas consecutivas em que é necessário manter as luzes exteriores acesas.

A noite civil polar, isto é, quando é necessário manter por mais de 24 horas consecutivas iluminação artificial para atividades no exterior, não ocorre em nenhum local da Europa continental ou do Alaska pois não existe qualquer parte destas regiões com latitude superior a 72° 33′ N. Algumas partes do Canadá, Groenlândia, Svalbard, Nova Zembla e do norte da Sibéria, por estarem a norte dos 72° 33′ N, têm períodos curtos de noite polar.

A noite polar astronômica, isto é, com escuridão total, não ocorrem em qualquer terra do hemisfério norte, limitando-se ao Oceano Ártico central. No hemisfério sul abrange a Antártida central. Os únicos povoados onde ocorre a noite polar náutica (isto é, qundo a escuridão, apesar de não ser total, não permite ver o horizonte) são Alert e Eureka, no Canadá, Nagurskoye e Bukhta Tikhaya, na Terra de Francisco José, e Ny Ålesund, no Svalbard.

O sol da meia-noite na Finlândia

Na região da Lapônia central, durante o escuro Inverno, o sol permanece abaixo da linha do horizonte durante 51 dias, o que dá origem ao fenómeno da noite polar, a que os finlandeses chamam “kaamos“. Mesmo no sul do país o sol brilha no inverno (Dezembro) só umas quatro horas por dia entretanto o pôr-do-sol é lento (inclinado) e por isso nunca chega a escurecer totalmente a noite (ocorrem as chamadas noites brancas).

Sol da meia-noite em Kiruna, Suécia.

Sol da meia-noite observado de Nordkapp, Noruega.

 

 

Jesus, a alegria dos homens

Ele desceu num raio de luz e veio ensinar por um
tempo na terra dos homens tristes.
Ele sabia que a estupidez deles não permitiria que
assimilassem os seus ensinamentos.
Também sabia que as suas palavras seriam distorcidas
e corrompidas ao longo dos séculos.
Porém, parte de sua ação seria secreta,
nos bastidores invisíveis do planeta.
Ao descender do Alto para a Terra,
Ele riscou os céus de todas as dimensões.
Muitas consciências extrafísicas observaram
sua descida e se inspiraram em seu exemplo.
Se Ele próprio encarnava na Terra para ajudar
a humanidade, por que eles também não o fariam?
O raio de luz veio cheio de amor e iluminou o mundo
com a LUZ das luzes.
Mesmo nos planos extrafísicos mais densos
a sua descida foi comentada.
Espíritos endurecidos no ódio e prisioneiros de
antigas magias oriundas foram libertados quando
ele desceu. Foram muitos!
E o mundo não soube disso.
Uma outra humanidade, invisível e estacionada nas
cercanias inferiores do planeta, foi resgatada por Ele.
Quando Ele ascendeu de volta para os planos celestes,
arrastou para cima multidões de espíritos sofredores e
libertou-os das cadeias do ódio. Foram muitos!
E o mundo não soube disso.
O tempo passou e muitos estão despertando para
os seus ensinamentos livres da peia religiosa.
O mundo ainda não sabe, mas eles estão
crescendo e amando em silêncio.
Eles são inspirados por Jesus, a alegria dos homens.
Eles voam nas asas da Espiritualidade sem dogmas.
E eles são muitos!

Por: Wagner Borges

 

 

Dêem, dêem sua esmola de compaixão, a compaixão conduz à ternura, da ternura à caridade o passo é curto.

Dêem, dêem o sentimento tão doce que se chama misericórdia, a misericórdia conduz ao amor, e o amor é o mais rico diamante do escrínio do Criador.

Dêem, hoje como sempre e sempre como hoje, pois as lágrimas correm todos os dias, os corações sangram, as almas sofrem e, frequentemente, se desesperam!

Dêem, dêem sem pesar e bebam com as mãos cheias no tesouro espiritual, nesse tesouro inesgotável que aumenta quando dele se toma.

Dêem, ó meus irmãos, dêem com as duas mãos e de todas as maneiras; dêem o bom conselho, dêem a proteção, quando puderem, dêem o apoio, dêem a instrução espiritual, dêem essa esmola moral que vale mais do que todas as outras, a do coração, a do pensamento!

Dêem, sem muito se perguntarem, se aquele que recebe é digno da sua caridade; lembrem-se de que os frutos da caridade são algumas vezes tardios, que o verdadeiro devotamento não conta sobre o fruto, quando ele planta o caroço ou quando se tira mudas do arvoredo.

Dêem e amem verdadeiramente, quer dizer, com a alma! Elevem seu pensamento acima do nível comum da vida, quer dizer, amem em Deus, como ele e com ele!

Santifiquem sua esmola, unindo-a ao amor que os transporta ao Criador! Toda criação é sua pátria, toda a humanidade terrestre é sua família, generalizem e aumentem, pois, o sentimento do qual eu lhes falo, espalhando-o sobre todos!

Dêem, dêem muito, e muito lhes será devolvido em luz, em inteligência, em felicidade!

Psicografado por Madame Krell a 2 de Novembro de 1874.
Do livro “Reflexos da Vida Espiritual”
M. Krell,1a. Edição, Ed. CELD (2002)

 

 

Pessoas reativas não pensam ou melhor, pensam que pensam,

Quando somente reagem emocionalmente a qualquer coisa,

Sem refletir, sem controlar, sem observar o todo, como crianças.

Todos nós somos reativos, vez ou outra, mas conforme amadurecemos

Nos tornamos menos reativos e mais sensíveis,

Já que escolhemos nossas respostas.

Quando somos crianças, simplesmente reagimos (o que é natural),

Por isso adultos reativos são, normalmente, acusados

De um comportamento infantil e birrento.

Uma pessoa sensível

(Por obter mais informações que estão à sua volta)

Raramente perde o controle, mesmo quando atacada porque,

Sendo sensível, ela observa e escolhe a melhor resposta.

Raramente reage, como um animal faminto faria.

Você não tem o poder de escolher

Aquilo que te acontecerá hoje, amanhã ou depois.

Mas você tem o poder de escolher a melhor resposta à tudo o que vai acontecer.

Resposta não é reação. Reação é sinônimo de programa automático.

Resposta é sinônimo de escolha. Aldo Novak

 

 


Chia, a semente da vez

Ela está lotada de ômega-3, cálcio, fibras, ferro e diversos outros nutrientes

por Carolina Gonçalves

Novidade nas prateleiras brasileiras, a chia, uma semente encontrada no sul do México, está prometendo um caminhão de vantagens para a saúde. Riquíssima em uma série de nutrientes, o grão também pode ser um grande aliado da dieta.

Ela está disponível no mercado de três formas: óleo, farinha e grão inteiro. O óleo pode ser usado como temperos de saladas e pratos em geral, e a farinha ou o grão podem ser adicionados em iogurtes, vitaminas, tortas, bolos, saladas, sucos, entre outras receitas.

“A porção diária recomendada é de 25 gramas, o equivalente a uma colher de sobremesa”, diz a nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional. Caso você passe um pouco dessa recomendação, não há grandes problemas, mas é importante não exagerar e manter sempre a dieta equilibrada, pois a chia é um tanto calórica – são 164 calorias por porção da semente. Confira tudo o que essa colherzinha diária pode fazer pela sua saúde! 

semente de chia - foto Getty Images

Efeito tira-fome
A semente de chia é rica em fibras tanto solúveis quanto insolúveis. A nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, conta que essas fibras ajudam a regular o trânsito intestinal, evitando ou tratando a prisão de ventre, por exemplo. Enquanto a aveia possui 9,1g de fibras a cada 100g do grão, a chia tem 13,6g de fibra. “Ela também proporciona mais saciedade, pois em contato com líquido no interior do estômago forma uma espécie de ‘gel’ que dilata o estômago, ajudando também no emagrecimento”, explica.