Certa tarde, Jesus passava com seus discípulos em frente a uma grande montanha. Ele planejava ver o pôr-do-sol lá de cima, coisa que adorava. Porém, antes que iniciasse a subida pelo caminho do monte, um homem se aproximou rapidamente e lhe perguntou: “Sei que o senhor vem da parte de Deus, pois só alguém com o poder divino é capaz de fazer os milagres de que tanto falam os seus companheiros. Então, é verdade que o divino está em seu coração e que o senhor veio dar testemunho disso entre os homens?”
O Rabi* olhou aquele homem e viu, em seu coração, que havia nele uma luta titânica entre sublimes aspirações espirituais e pensamentos pesados e carregados de medo e dor.
Com carinho, ele respondeu ao homem, dizendo-lhe: “Sim, é verdade que carrego o divino em meu coração. Mas também é verdade que Ele está em seu coração e em todos os corações. Filho, Ele está em tudo!
“Contudo, o homem não entendeu e ainda lhe perguntou: “Mas, Senhor, como isso é possível? Deus está lá em cima, no céu. Como é que Ele pode estar dentro do homem, que é impuro e cheio de egoísmo?” Com paciência, Jesus lhe disse: “Essa é a verdade do espírito que não se enxerga com os olhos da carne, nem com os dogmas religiosos criados pelos homens, mas com o discernimento espiritual e a luz da compreensão. Só o espírito compreende o espírito! O amor busca o amor! O divino só é percebido com o olho do coração. Por isso tão poucos homens têm tido a visão real, pois querem capturar o espírito apenas com os sentidos da carne.Vem comigo. Vamos ao alto do monte meditar no Supremo que está em tudo!”
Então, o doce Rabi abraçou o homem e subiu o monte com ele e os discípulos. Ele gostava do momento mágico do crepúsculo. Muitas vezes, enquanto olhava a linha do horizonte, entre o cair da tarde e o início da noite, ele entrava em êxtase espiritual, e o seu rosto resplandecia como um sol.E assim aconteceu, novamente naquele fim de tarde. E ele disse àquele homem: “O contraste entre a luz do dia e as trevas da noite na natureza é semelhante ao próprio homem, que porta a luz do espírito supremo nas bordas da carne do corpo. Entre o espírito eterno e a carne transitória, o equilíbrio encontra-se no coração do homem. Mas, para chegar nele, é preciso, antes, remover as faixas escuras do egoísmo e revelar a luz do divino em si mesmo. É necessária a força do espírito para revelar aquilo que é do espírito.
Meu filho, só se percebe o divino em espírito e verdade. Só o espírito compreende o espírito! Só o amor encontra o amor!”E, novamente ele olhou para o mágico momento do crepúsculo e arrematou: “O Pai Celestial está lá na linha do horizonte e também dentro de cada coisa no universo infinito. Está em nossos corações e no brilho de nossos olhos. Ele está em tudo!”
E, tomado de grande alegria, o Rabi fez uma prece a favor de todos os homens. E seu rosto novamente se transformou em sol. Ali, no alto da montanha, com o brilho da consciência cósmica irradiando de seu rosto, Jesus mais parecia uma criança de luz. No entanto, para ele, as crianças eram os homens. E ele os tomou para si mesmo, dentro de seu coração.
(P.S.: Aqui e agora, nas luzes transitórias do mundo do século 21, numa das maiores cidades do planeta, eu agradeço a Jesus, esse cara tão legal e simples, verdadeiro amigo espiritual dos pequeninos e esquecidos.
Esse Rabi tão querido, que não vejo em cruz nenhuma e nem sei se é barbudo ou branco, pois o que vejo, com os olhos do coração, é um rosto de luz que mais parece um sol. O mesmo sol que iluminou o meu dia, mais uma vez. Esse sol do espírito que só pode ser visto em espírito e verdade.)
Paz e Luz.
Wagner Borges

enviado pela querida amiga Danielle Belini

 

Anúncios