Eu não estou aqui para fazer de você um cordeiro.
Você já tem sido cordeiro em demasia.
Eu estou aqui para fazer de você um homem.

Isto não vai ser fácil, mas você tem que começar a se tornar responsável pela sua própria vida.

E uma vez que se torne responsável pela sua própria vida, você começará a crescer, porque não haverá mais sentido em desperdiçar tempo adiando ou esperando.

Ninguém irá ajudá-lo.
Toda espera é inútil, é puro desperdício.
Por isto, se existe algum conflito, vá fundo nele.

Decida alguma coisa.
Somente através de decisões você fica cada vez mais cônscio, somente através de decisões você fica cada vez mais cristalizado, fica mais afiado.

Do contrário a pessoa torna-se apática.
As pessoas vão de um guru para outro, de um mestre para outro, de um templo para outro; não porque sejam grandes buscadoras, mas porque são incapazes de decidir.

Assim elas ficam pulando de um para outro.
Essa é a maneira delas evitar comprometer-se.

O mesmo acontece com outros relacionamentos humanos: um homem fica pulando de uma mulher para outra, vai mudando.

As pessoas acham que ele é um grande amante; ele não é um amante de jeito algum.

Ele está evitando, está tentando evitar algum envolvimento mais profundo porque com envolvimento mais profundo os problemas precisam ser enfrentados, e ele irá passar por muito sofrimento.

Assim a pessoa simplesmente joga seguro; a pessoa toma a decisão de nunca se envolver profundamente com alguém.

Se você for muito fundo, pode não ser capaz de voltar facilmente.

E se você for muito fundo com alguém, outra pessoa irá fundo com você também; é sempre proporcional.

Se eu for muito fundo com você, a única maneira é permitir que você também vá fundo em mim.

É um dar e receber, é um compartilhar.
Então a pessoa pode ficar enrolada demais e será difícil escapar.

O sofrimento pode ser grande.
Assim as pessoas aprendem como jogar seguro: basta se encontrar superficialmente; um caso de amor do tipo bata e corra.

Antes de ser agarrado, corra.
Isso é o que está acontecendo no mundo moderno.

As pessoas se tornaram tão imaturas, tão infantis; elas estão perdendo toda a maturidade.

A maturidade chega somente quando você está pronto para enfrentar a dor de seu ser; maturidade chega somente quando você está pronto para aceitar o desafio.

E não há um desafio maior que o amor.
Viver feliz com outra pessoa é o maior desafio do mundo.

É muito fácil viver pacificamente sozinho, é muito difícil viver pacificamente com outra pessoa, porque os dois mundos colidem, dois mundos se encontram…

Mundos totalmente diferentes.
Como é que eles são atraídos um pelo outro?
Porque eles são totalmente diferentes, quase opostos, pólos opostos.

É muito difícil ser pacífico num relacionamento, mas esse é o desafio.

Se você fugir disso, fugirá da maturidade.
Se você vai fundo nisso com toda a dor, e assim mesmo continua, então pouco a pouco a dor se torna uma bênção, a maldição se torna uma bênção.

Pouco a pouco, através do conflito, surge a fricção, a cristalização.

Através da luta você fica mais alerta, mais cônscio.
O outro se torna como um espelho.
Você pode ver sua feiúra nele.
O outro provoca sua inconsciência, trazendo-a para a superfície.

Você terá que conhecer todas as partes ocultas de seu ser e o caminho mais fácil é ser espelhado, refletido, num relacionamento.

Mais fácil, digo assim, porque não há outra maneira, mas isso é difícil, árduo, porque você terá que mudar através disso.

Quando você vai para um mestre, um desafio ainda maior se apresenta diante de si, pois terá que decidir e a decisão será por algo desconhecido.

A decisão precisa ser total e absoluta, irreversível.
Não é uma brincadeira de criança; é um ponto sem retorno.

Surgem muitos conflitos.
Mas não continue mudando sempre, porque essa é a maneira de evitar a si próprio.

E você irá permanecer mole, irá permanecer infantil.
A maturidade não acontecerá a você. (…)

Somente o desconhecido deve atraí-lo porque você ainda não o viveu; ainda não andou por esse território.

Mova-se!
Algo de novo pode acontecer por lá.
Sempre decida pelo desconhecido, seja qual for o risco, e você irá crescer continuamente.

Mas, se continuar decidindo pelo conhecido, ficará se movendo repetidamente num círculo com o passado.
Você prosseguirá repetindo-o; você se tornará como um gravador.

Assim, decida.
E quanto mais cedo você o fizer, melhor.
Adiamento é simplesmente estupidez.

Amanhã você terá que decidir também, então porque não hoje?
E você acha que amanhã será mais sábio do que hoje?
Acha que amanhã estará mais vivo que hoje?
Você acha que amanhã estará mais jovem que hoje, mais renovado que hoje?

Amanhã você estará mais velho, sua coragem será menor; amanhã você será mais experiente, sua esperteza será maior; amanhã a morte estará mais perto; você começará a dar sinais e a ficar mais assustado.

Nunca adie para amanhã.
E quem sabe?
Amanhã pode chegar ou pode não chegar.

Se você tem que decidir, é preciso decidir agora mesmo.

Osho

 

Anúncios