Archive for abril, 2013


Personalidade Borderline

A palavra inglesa borderline é um vocábulo composto por dois outros: border, que significa borda,

linha.

significa

que

line,

e

margem,

limite,

utilizada pela primeira vez em 1949, para denominar uma entidade mórbida que não correspondia nem à

linhagem

à

nem

clássica,

psicótica

linhagem

neurótica clássica. Frequentemente esses pacientes também recebem a denominação de limítrofes ou estados-limítrofes, pois apresentam

sintomatologia e psicodinâmica que parece estar no limite entre a neurose e a psicose.

A maior parte dos quadros que parecem ser neuroses “muito típicas” costuma ser de transtornos limítrofes: as histerias graves, bizarras; as neuroses obsessivas que se limitam com a psicose ou certas fobias graves, com grande infiltração de pensamento delirante (Bleichmar, Bleichmar, 1992, apud. PIZOL et. al., 2003).

O tratamento farmacológico para o paciente borderline ainda é limitado, mas é importante para controlar as manifestações clínicas (sintomáticas), buscando o controle da impulsividade

agressividade e a estabilização do humor.

O transtorno de personalidade borderline é o transtorno de personalidade mais frequente e está bastante relacionado a casos de depressão e de uso

substâncias psicoativas e alta incidência

suicídio. A automutilação aparece em cerca de 80% dos casos. E as dificuldades nos relacionamentos sociais, a impulsividade e reatividade do

podem levar a confrontos com a lei.

Classificação Nosográfica

De acordo com as classificações nosográficas o borderline é incluído na categoria de Transtornos de Personalidade. Recebeu essa classificação em 1980, com a publicação do DSM-III. Na revisão de 1987 (DSM-III-R) a descrição das categorias e critérios tornou-se mais clara. Em 1994 foi publicado o DSM-IV, que incluiu um nono critério diagnóstico (ideação paranóide transitória, relacionada ao estresse ou a sintomas dissociativos severos).

O Transtorno de Personalidade Borderline caracteriza-se por um padrão de impulsividade e instabilidade quanto a relacionamentos interpessoais, à autoimagem e aos afetos. Em alguns casos pode haver o desenvolvimento de alterações cognitivo-perceptuais e sintomas semelhantes aos de psicose (idéias de referência, experiências hipnagógicas, alucinações transitórias e

imagem

distorções da

corporal).

de

Para o

Transtorno

diagnóstico

Personalidade Borderline o DSM-IV exige a presença

(ou

dos seguintes

mais)

critérios:

cinco

esforços frenéticos para evitar um abandono real ou

um

de relacionamentos

imaginário;

padrão

(2)

interpessoais

e intensos,

instáveis

caracterizados

idealização

entre

alternância

extremos de

desvalorização; (3) dificuldade quanto à identidade: instabilidade acentuada e persistente da autoimagem ou do senso de si mesmo; (4) impulsividade em pelo

potencialmente

áreas

prejudiciais

duas

menos

(por

pessoa

exemplo, gastos financeiros,

própria

abuso

sexo,

de substâncias,

imprudente,

direção

alimentação compulsiva);

recorrência

(5)

comportamento, gestos

ameaças suicidas

ou

comportamento

(6) instabilidade

automutilante;

afetiva decorrente de acentuada reatividade de humor

disforia,

exemplo, episódios

intensa

de

irritabilidade ou ansiedade,

durando

geralmente

algumas horas e raramente mais de alguns dias); (7) sentimentos crônicos de vazio; (8) raiva descabida e intensa ou dificuldade para controlar a raiva (por exemplo, exibições frequentes de irritação,

constante, lutas corporais recorrentes); (9) ideação paranóide transitória, relacionada ao estresse ou a sintomas dissociativos severos.

O CID 10

o Borderline dentro

classifica

categoria de Transtorno de Personalidade

Instabilidade Emocional (F60.3). Nessa

categoria está incluído o TP Explosivo.

Segundo a CID 10 são Transtornos

personalidade caracterizados por tendência nítida a agir de modo imprevisível sem consideração pelas consequências; humor imprevisível e caprichoso; tendência a acessos de cólera e uma incapacidade de controlar os comportamentos impulsivos; tendência a adotar um comportamento briguento e a entrar em conflito com os outros, particularmente quando os

impulsivos são contrariados ou censurados. Sendo que o tipo “borderline” é caracterizado, além disto, por perturbações da auto-imagem,

estabelecimento de projetos e das preferências pessoais, por uma sensação crônica de vacuidade, por relações interpessoais intensas e instáveis e por

tendência a adotar um comportamento autodestrutivo, compreendendo tentativas de suicídio e gestos suicidas.

A psicodinâmica do borderline

Kernberg e col. (Apud. Dal’Pizol, et. al., 2003) descrevem o funcionamento psicodinâmico borderline a partir de três critérios: difusão

identidade; nível de operações defensivas

capacidade de teste de realidade.

A difusão de identidade caracteriza-se

falta de integração do conceito de self e de outros significativos. Ela mostra-se na experiência subjetiva

paciente como sensação de vazio

contradição nas percepções sobre si e em atitudes contraditórias.

Os mecanismos de defesa do ego

utilizados são as defesas primitivas, centradas no mecanismo de clivagem. Para proteger o ego do conflito, recorrem à idealização primitiva, identificação projetiva, denegação, controle onipotente e desvalorização.

Os portadores TP Borderline mantêm

capacidade de teste de realidade, mas possuem alterações na sua relação com a realidade:

realidade é adequadamente avaliada, mas

comportamento é inapropriado e incoerente com a avaliação da realidade.

Segundo Bergeret (2006) os estados-limítrofes

acham circunscritos economicamente

organizações autônomas e distintas, ao

tempo das neuroses e das psicoses. O autor lembra que Freud ao introduzir o conceito de narcisismo, destacado o papel do Ideal do Ego, feito a descrição da escolha anaclítica de objeto e a descoberta do papel desempenhado pelas frustrações afetivas da criança, reconhece a existência de um tipo libidinal “narcisista” sem um Superego completamente constituído, onde o essencial do conflito pós-edipiano não se situa em uma oposição entre o ego e o superego, uma fragmentação do ego se apresenta como intermediária, justamente entre a fragmentação psicótica e o conflito neurótico. Em seus últimos trabalhos Freud descreve os mecanismos

e faz alusão a um

clivagem e da recusa

“narcisista” de personalidade.

Nos arranjos-limítrofes o ego em formação consegue ultrapassar o momento em que

frustrações da primeira idade teriam podido operar fixações pré-psicóticas tenazes e desagradáveis, não regredindo a essas fixações. Entretanto no momento em que se dava a evolução edipiana normal esses sujeitos sofreram um trauma psíquico importante. É um trauma afetivo que corresponde a uma “comoção pulsional”, ocorrida em um momento em que o ego ainda está não-organizado e demasiado imaturo no plano do equipamento, da adaptação e das defesas. O Ego imaturo busca então, integrar essa experiência (o trauma psíquico) as outras experiências do momento e interpreta essa percepção como uma frustração e

ameaça à sua integridade narcísica.

condições o sujeito não terá possibilidades

negociar essa percepção no contexto de

economia triangular genital, como poderia fazer, um pouco mais tarde e melhor equipada, uma estrutura neurótica. Para essa pessoa será impossível

apoiar no amor por um genitor para suportar sentimentos eventualmente hostis em relação ao outro genitor. Tenderá a não saber usar

recalcamento para eliminar do consciente a tensão sexual ou agressiva, recorrerá a mecanismos mais próximos dos que emprega o psicótico (a recusa, a identificação projetiva, a clivagem das imagos, o manejo onipotente dos objetos, entre

(BERGERET, 2006).

Segundo Bergeret (2006) o estado-limítrofe não pode ser considerado uma verdadeira estrutura, pois permanece em uma situação somente “arranjada”,

não estruturalmente fixada. É um

instável e custoso do Ego pra se manter fora das duas grandes estruturas, a linhagem psicótica, a qual no

desenvolvimento ultrapassou, e a linhagem neurótica, a qual não conseguiu atingir.

Segundo Zimerman (2004) todas as

inerentes a parte psicótica da personalidade estão presentes, em algum grau e forma, nesses pacientes fronteiriços; mas conservam um juízo crítico e senso

realidade. Segundo o autor a raiz do

psicótico borderline reside nas faltas e

ocorridas durante o desenvolvimento emocional primitivo, com a conseqüente formação de vazios.

Bergeret (2006) localiza o estado-limítrofe como uma doença do narcisismo. O ego não consegue aceder a uma relação de objeto genital, no nível dos conflitos entre Id e Superego. A relação de objeto fica centrada em uma dependência anaclítica do outro. E

limítrofe fica se defendendo contra o

imediato da depressão, sofre de uma angústia de perda de objeto e de depressão e centra

investimentos na relação de dependência em relação ao outro. A relação de objeto é uma relação a dois, onde trata-se de ser amado pelo outro, o forte, o grande, estando ao mesmo tempo separado

como objeto distinto, mas ao mesmo

“apoiando-se contra ele” (anaclitismo).

Zimerman (2004) nomeia-os como portadores

uma “neurose polissintomática”, onde

pacientes recobrem suas intensas angústias depressivas e paranóides com uma fachada

sintomas ou de traços caracteriológicos, de fobias diversas, manifestações obsessivo-compulsivas, histéricas, narcisistas, somatizadoras, perversas, etc. todas podendo ser concomitantes ou alternantes. Em casos avançados podem aparecer manifestações pré-psicóticas.

Zimerman (2004) destaca que no borderline a presença de sintomas de estranheza (em relação ao meio ambiente exterior) e de despersonalização (estranheza em relação a si próprio)

intimamente ligados ao fato de que essas pessoas apresentam um transtorno do sentimento

identidade, o qual consiste no fato de que não existe

integração dos diferentes aspectos

personalidade, e essa “não integração” resulta numa dificuldade que esse tipo de paciente tem

transmitir uma imagem integrada, coerente

consistente de si próprio. Zimerman destaca que esse tipo de estado mental decorre do fato de o borderline fazer uso excessivo da defesa da clivagem (dissociação) dos diferentes aspectos de

psiquismo, que permanecem contraditórios ou em oposição entre si, de modo que ele se organiza como uma pessoa ambígua, instável e compartimentada. Tendem a sentir uma ansiedade difusa

sensação de vazio.

Segundo Kernberg (1980, apud. Vieira Junior, 1998) a dificuldade essencial do borderline é manter mesclados aspectos de violência afetiva positiva e negativa de um mesmo objeto ou de si mesmos, da

tentariam se defender por meio

mecanismo de splitting. Essa dificuldade de lidar com

ambivalência leva também a extensivo

identificações projetivas e idealizações primitivas.

Segundo Pizol, Lima et. al. (2003)

características estruturais secundárias

organização de personalidade como manifestações

fraqueza egóica, patologias do superego

relações objetais cronicamente caóticas

consequências diretas da difusão de identidade e do predomínio de operações defensivas imaturas.

Tratamento terapêutico

As dificuldades enfrentadas pelo paciente borderline são muito amplas, são pessoas severamente disfuncionais; podem psicotizar numa situação de estresse; e no processo terapêutico podem regredir facilmente em resposta à sua falta de estrutura ou interromper as psicoterapias tempestuosa e impulsivamente. É preciso lidar ainda com as ameaças constantes e o risco suicida e possíveis necessidades de internação.

Em relação ao tratamento terapêutico Dal Pizol et. al. (2003) esclarecem que a psicoterapia individual pode proporcionar a exploração intrapsíquica profunda e se, reativadas as relações objetais primitivas, poderá permitir a integração dos aspectos dissociados da personalidade. A terapia de grupo permite a exploração das transferências múltiplas, a resolução das resistências interpessoais, proporciona novos modelos de identificação e apoio ao ego, bem como fornece um “laboratório” para a vivência de novos comportamentos, alem de ajudar a limitar a raiva e administrar a atuação.

A intervenção social constitui-se de

estratégia essencial no tratamento do paciente Borderline. Segundo Gabbard (1998, apud Dal Pizol et. al.) intervenções familiares podem ser necessárias

que o tratamento tenha sucesso, sendo

primeiro passo para a identificação do papel das interações familiares na patogênese e manutenção da sintomatologia do paciente. É preciso articular a construção de toda uma rede social de apoio ao sujeito.

O borderline não é capaz de suportar grande quantidade de ansiedade. Segundo Vieira

(1998) a psicoterapia deve privilegiar uma abordagem mais relacional do que transferencial, mais ativa e expressiva do que passiva e expectante,

suportiva que geradora de ansiedade.

Romaro (2002) destaca que um dos problemas no manejo terapêutico é a intensa agressão que se expressa na relação transferencial e que exige que o terapeuta possa conter, tolerar e compreender essas reações, sem agir de forma retaliatória e sem sentir sua identidade ameaçada. O impasse é transformar o comportamento destrutivo em uma específica constelação transferencial.

Na abordagem terapêutica é importante

estabelecimento de parâmetros e limites claros que norteiem o tratamento, maior atividade verbal do que geralmente se aplicaria no tratamento de outros pacientes, maior tolerância a comportamentos hostis, desestímulo a atuações e privilégio do aqui e agora em detrimento de análises de reminiscências (Vieira Junior, 1998).

Vieira Junior (1998) diz que a terapia

buscar aliviar os sintomas angustiantes e propiciar a alteração de alguns padrões de personalidade que se mostram pouco adaptativos. O paciente deve ser levado a ter contato com suas distorções cognitivas e dinâmicas, corrigir deficiências egóicas e fortalecer habilidades sociais e fazê-lo usar a seu favor suas funções egóicas mais estáveis.

Segundo Romaro (2002) o grande desafio é criar um espaço mental onde o pensar possa ocorrer, tornando representável o irrepresentável, pois é a capacidade de representação que propicia

transformação das imagens em palavras dentro do nível da realidade, o que pode ocorrer no processo analítico por meio da introjeção das interpretações. O estabelecimento da aliança terapêutica

particularmente difícil, devido à alta probabilidade de ocorrência de acting-out, com manifestações transferenciais e contratransferenciais intensas exigindo que o terapeuta seja ativo, flexível

continente.

As terapias devem auxiliar o sujeito a encontrar formas mais adaptativa para enfrentamento de suas dificuldades e conflitos, ajudar a controlar o acting e os sintomas que causam sofrimentos e conflitos. É preciso considerar a heterogeneidade dos sintomas e as comorbidades. O borderline não é uma categoria homogênea, engloba sinais e sintomas diversos, além de diferentes níveis de adaptação e regressão.

Anúncios

O pensamento de Paulo Coelho está resumido aqui, com 107 frases extraídas dos best-sellers O Alquimista, O Diário de um Mago, Brida, As Valkírias, Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei (publicados pela editora Rocco) e algumas frases inéditas.

São textos que confirmam a vivência do autor e passam ao leitor a importância de uma vida mais plena de realizações, dedicação, e firmeza nas decisões.

Estas frases são para uma leitura rápida e prazerosa, mas também de muita profundidade.

Para melhor situar o leitor, estão definidos no final de cada citação o livro-fonte das obras do autor Paulo Coelho:

1 – “Quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que você realize o seu desejo”. O Alquimista

2 – “É preciso não relaxar nunca, mesmo tendo chegado tão longe” O Alquimista

3 – “O segredo da felicidade está em olhar todas as maravilhas do mundo e nunca se esquecer da sua missão ou do seu objetivo.” O Alquimista

4 – “Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível mudar tudo que nos deixa infelizes. O instante mágico é o momento em que um ‘sim’ ou um ‘não’ pode mudar toda a nossa existência.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

5 – “A maior mentira do mundo: em determinado momento de nossa existência, perdemos o controle de nossas vidas, e ela passa a ser governada pelo destino.” O Alquimista

6 – “O caminho da Sabedoria é não ter medo de errar.” Brida

7 – “O amor só descansa quando morre. Um amor vivo é um amor em conflito.” As Valkírias

8 – “A felicidade às vezes é uma bênção, mas geralmente é uma conquista.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

9 – “Só um homem que não tem vergonha de si, é capaz de manifestar a glória de Deus.” As Valkírias

10 – “Existem derrotas, mas não existe o sofrimento. Um verdadeiro guerreiro sabe que ao perder uma batalha está melhorando sua arte de manejar a espada. Saberá lutar com mais habilidade no próximo combate.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

11 – “Poucos aceitam o fardo da própria vitória; a maioria desiste dos sonhos quando eles se tornam possíveis.” O Diário de Um Mago

12 – “Os portões do Paraíso foram abertos de novo. Por algum tempo, ninguém sabe exatamente quanto, poderão entrar todos os que perceberem que estes portões estão abertos.” As Valkírias

13 – “Só um caminho por onde qualquer pessoa pode passar é capaz de nos levar a Deus.” O Diário de Um Mago

14 – “Nós sempre temos tendência de ver coisas que não existem, e ficar cegos para as grandes lições que estão diante de nossos olhos.” O Diário de Um Mago

15 – “As tarefas diárias jamais impediram alguém de seguir seus sonhos.” As Valkírias

16 – “Toda a vida do homem sobre a face da terra se resume a buscar o Amor. Não importa se ele finge correr atrás de sabedoria, de dinheiro ou de poder.” Brida

17 – “Não precisamos saber nem ‘como’ nem ‘onde’, mas existe uma pergunta que todos nós devemos fazer sempre que começamos qualquer coisa: ‘Para que tenho que fazer isto?'” As Valkírias

18 – “O maior de todos os pecados: o arrependimento” O Diário de Um Mago

19 – “Quando alguém evolui, evolui tudo que está a sua volta” O Alquimista

20 – “Existem muitas maneiras de cometer suicídio. Os que tentam matar o corpo ofendem a Lei de Deus. Os que tentam matar a alma também ofendem a Lei de Deus, embora esta falta seja menos visível aos olhos do homem” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

21 – “Precisamos aproveitar quando a sorte está do nosso lado, e fazer tudo para ajudá-la da mesma maneira que ela está nos ajudando – ” O Alquimista

22 – “Às vezes um acontecimento sem importância é capaz de transformar toda a beleza em um momento de angústia. Insistimos em ver o cisco no olho, e esquecemos as montanhas, os campos e as oliveiras” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

23 – “O amor é arriscado, mas sempre foi assim. Há milhares de anos as pessoas se buscam e se encontram” Brida

24 – “É justamente a possibilidade de realizar um sonho que torna a vida interessante” O Alquimista

25 – “A fé é uma conquista difícil, que exige combates diários para ser mantida.” As Valkírias

26 – “O seu coração está onde está o seu tesouro. E seu tesouro precisa ser encontrado, para que tudo possa fazer sentido.” O Alquimista

27 – “No Bom Combate, atacar ou fugir fazem parte da luta. O que não faz parte da luta é ficar paralisado de medo.” O Diário de Um Mago

28 – “Quanto mais você entender de si mesmo, mais entenderá do mundo.” Brida

29 – “Quando todos os dias ficam iguais, é porque deixamos de perceber as coisas boas que aparecem em nossas vidas.” O Alquimista

30 – “A única maneira de seguir nossos sonhos é sendo generosos conosco mesmos.” O Diário de Um Mago

31 – “Toda bênção que não é aceita transforma-se numa maldição.” O Alquimista

32 – “Os sentimentos devem estar sempre em liberdade. Não se deve julgar o amor futuro pelo sofrimento passado.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

33 – “Sempre que o homem seguir com sinceridade o caminho da fé, ele será capaz de aproximar-se de Deus e operar milagres.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

34 – “O amor é olhar as mesmas montanhas por ângulos diferentes.” As Valkírias

35 – “Escute seu coração. Ele conhece todas as coisas, porque veio da Alma do Mundo e um dia retornará para ela.” O Alquimista

36 – “Existem pessoas que acostumam-se com seus próprios erros, e em pouco tempo confundem seus defeitos com virtudes.” Brida

37 – “Deus está onde O deixam entrar.” O Alquimista

38 – “Não ofereça a Deus apenas a dor de suas penitências, ofereça também suas alegrias.” O Diário de Um Mago

39 – “Quem interfere no destino dos outros, nunca descobrirá o seu.” O Alquimista

40 – “Só uma coisa torna um sonho impossível: o medo de fracassar.” O Alquimista

41 – “Quando se ama, não é preciso entender o que acontece lá fora, porque tudo passa a acontecer dentro de nós.” O Alquimista

42 – “Deus sempre dá uma segunda chance na vida.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

43 – “Quem conhece a felicidade não consegue mais aceitar humildemente a tristeza.” Brida

44 – “Quando alguém encontra seu caminho, precisa ter coragem suficiente para dar passos errados. As decepções, as derrotas, o desânimo são ferramentas que Deus utiliza para mostrar a estrada.” Brida

45 – “Cada momento da busca é um momento de encontro com Deus e com a Eternidade.” O Alquimista

46 – “Pelo brilho nos olhos, desde o começo dos tempos, as pessoas reconhecem seu verdadeiro Amor.” Brida

47 – “Uma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que o seu caminho é o único. Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e renúncia.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

48 – “O medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento. E nenhum coração jamais sofreu quando foi em busca de seus sonhos.” O Alquimista

49 – “As flores refletem bem o verdadeiro. Quem tenta possuir uma flor verá a sua beleza murchando. Mas quem olhar uma flor no campo permanecerá para sempre com ela.” Brida

50 – “O mundo se transforma e nós somos parte desta transformação. Os anjos nos guiam e nos protegem. ” As Valkírias

51 – “Deus é a palavra. Cuidado com o que você fala em qualquer situação ou instante de sua vida” Brida

52 – “Muitas pessoas se fascinam pelos detalhes e esquecem o que procuram.” O Diário de Um Mago

53 – “É preciso correr riscos, seguir certos caminhos e abandonar outros. Nenhuma pessoa é capaz de escolher sem medo.” Brida

54 – “Julgar-se pior que os outros é um dos mais violentos atos de orgulho, porque é usar a maneira mais destrutiva possível de ser diferente.” Brida

55 – “A prece ou oração, quando feita com as palavras da alma, é muito mais poderosa.” Brida

56 – “Chegamos exatamente onde precisamos chegar, porque a Mão de Deus sempre guia aquele que segue seu caminho com fé.” O Diário de Um Mago

57 – “Conhecimento sem transformação não é Sabedoria.” Brida

58 – “Um guerreiro da luz sabe que não pode prever tudo.” Brida

59 – “O que se julga cheio de virtudes, fica paralisado. O que se julga cheio de culpas, também fica paralisado.” Inédita

60 – “A melhor maneira de servir a Deus é indo ao encontro de seus próprios sonhos. Só quem é feliz pode espalhar felicidade.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

61 – “Só entendemos a vida e o Universo quando não procuramos explicações aí tudo fica claro.” Brida

62 – “Onde você desejar ver a face de Deus, você verá. E se não quiser vê-la, isto não faz a mínima diferença, desde que sua obra seja boa.” O Diário de Um Mago

63 – “Ser homem é ter dúvidas, e mesmo assim continuar o seu caminho.” Brida

64 – “O segredo de qualquer conquista é a coisa mais simples do mundo: saber o que fazer com ela.” O Diário de Um Mago

65 – “Perdoe o seu inimigo. Mas não o confunda com um amigo.” As Valkírias

66 – “Nenhum homem é uma ilha. Para combater o Bom Combate, precisamos de ajuda.” O Diário de Um Mago

67 – “Seja você quem for ou o que faça, quando quer com vontade alguma coisa, é porque esse desejo nasceu na alma do Universo.” O Alquimista

68 – “Certas coisas são tão importantes que precisam ser descobertas sozinhas.” Inédita

69 – “Não se deve ver só a tristeza do fim e esquecer os momentos alegres da vida. Antes de nascermos, a vida já existia, e continuará existindo depois que deixarmos este mundo.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

70 – “Faça a sua parte e não se preocupe com os outros. Acredite que Deus também fala com eles, e que estão tão empenhados quanto você em descobrir o sentido desta vida.” Brida

71 – “Quantas coisas perdemos por medo de perder.” Brida

72 – “O verdadeiro Amor não consiste em tentar corrigir os outros, mas alegrar-se ao ver que as coisas são melhores do que esperávamos.” Inédita

73 – “Deus com Sua infinita Sabedoria, escondeu o Inferno no meio do Paraíso para que nós sempre estivéssemos atentos.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

74 – “Jamais deixe que as dúvidas paralisem suas ações. Tome sempre todas as decisões que precisar tomar, mesmo sem ter a segurança de estar decidindo corretamente.” Brida

75 – “O Bom Combate é aquele que é travado em nome dos nossos sonhos; foi transportado dos campos de batalha para dentro de nós mesmos.” O Diário de Um Mago

76 – “O primeiro sintoma de que estamos matando nossos sonhos é a falta de tempo. As pessoas mais ocupadas têm tempo para tudo. As que nada fazem estão sempre cansadas.” O Diário de Um Mago

77 – “O segundo sintoma da morte de nossos sonhos são nossas certezas. Porque não queremos olhar a vida como uma grande aventura a ser vivida, passamos a nos julgar sábios no pouco que pedimos da existência. E não percebemos a imensa Alegria que está no coração de quem está lutando.” O Diário de Um Mago

78 – “O terceiro sintoma da morte de nossos sonhos é a Paz. A vida passa a ser uma tarde de domingo, sem nos pedir grandes coisas e sem exigir mais do que queremos dar.” O Diário de Um Mago

79 – “Quando renunciamos aos nossos sonhos e encontramos a paz, temos um pequeno período de tranqüilidade. Mas os sonhos mortos começam a apodrecer dentro de nós e a infestar todo o ambiente em que vivemos. O que queríamos evitar no combate, a decepção e a derrota, passa a ser o único legado de nossa covardia.” O Diário de Um Mago

80 – “O verdadeiro caminho da sabedoria pode ser identificado por apenas três coisas: precisa ter amor, deve ser prático, e pode ser trilhado por qualquer um.” O Diário de Um Mago

81 – “Existem momentos na vida em que a única alternativa possível é perder o controle.” Brida

82 – “Os sonhos têm um preço. Há sonhos caros e baratos, mas todos têm um preço.” As Valkírias

83 – “A linguagem de seu coração é que irá determinar a maneira correta de descobrir e manejar a sua espada.” O Diário de Um Mago

84 – “Tudo que é novo incomoda. A vida nos pega desprevenidos e nos obriga a caminhar para o desconhecido mesmo quando não queremos, quando não precisamos.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

85 – “A mente pode ser traiçoeira; pode empurrar para coisas que não queremos e sentimentos que não nos ajudam.” O Diário de Um Mago

86 – “Uma ameaça não pode causar nenhum mal, se não for aceita.” O Diário de Um Mago

87 – “As coisas simples são as mais extraordinárias.” O Alquimista

88 – “O homem é o único ser na Natureza que tem consciência de que vai morrer. Mesmo sabendo que tudo irá acabar, façamos da vida uma luta digna de um ser eterno.” O Diário de Um Mago

89 – “A melhor maneira de mergulhar em Deus é através do amor.” Brida

90 – “Não queira ser bravo, quando basta ser inteligente.” O Diário de Um Mago

91 – “Somos responsáveis por tudo que acontece neste mundo. Somos os Guerreiros da Luz. Com a força do nosso amor, de nossa vontade, podemos mudar o nosso destino, e o destino de muita gente.” As Valkírias

92 – “A cada momento de nossa existência temos que escolher entre um caminho e o outro. Uma simples decisão pode afetar uma pessoa para o resto da vida.” O Diário de Um Mago

93 – “A vaidade pode ser um bom estímulo. O dinheiro também. Mas nunca podemos confundi-los como objetivos.” Inédita

94 – “Antes da mão manejar a espada, ela deve localizar o Inimigo e saber como enfrentá-lo. A espada apenas dá o golpe. Mas a mão já está vitoriosa ou perdedora antes desse golpe.” O Diário de Um Mago

95 – “O mundo está nas mão daqueles que têm coragem de sonhar, e correr o risco de viver seus sonhos. Cada qual com seus talentos.” As Valkírias

96 – “Os homens que se julgam sábios são indecisos na hora de mandar e são rebeldes na hora de servir.” O Diário de Um Mago

97 – “Use sua obra para mostrar a você mesmo quem você é.” Inédita

98 – “Quando alguém deseja algo, precisa saber que está correndo riscos. Mas é isso justamente que faz a vida interessante.” O Diário de Um Mago

99 – “Quando tentamos ser melhores que somos, tudo em volta se torna melhor também.” O Alquimista

100 – “A busca da felicidade é pessoal, e não um modelo que possamos dar para os outros.” O Diário de Um Mago

101 – “O homem nunca pode parar de sonhar. O sonho é o alimento da alma, como a comida é o alimento do corpo.” O Diário de Um Mago

102 – “As pessoas sempre chegam na hora exata nos lugares onde estão sendo esperadas.” O Diário de Um Mago

103 – “Tudo que o mundo precisa são de exemplos, e não de opiniões.” As Valkírias

104 – “O esforço é saudável e indispensável, mas sem os resultados não significa nada.” O Diário de Um Mago

105 – “O Amor se descobre através da prática de amar e não das palavras.” Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

106 – “Os anjos se fazem notar apenas para aqueles que acreditam na sua existência, embora sempre estejam presentes.” As Valkírias

107 – “Nada na vida é completamente errado. Até um relógio quebrado, duas vezes ao dia está marcando a hora certa.” Brida

Chico Xavier e os Demônios

Os demônios existem e todas as religiões os reconhecem, embora os interpretando mais como seres definitivamente voltados para o mal. Este conceito afronta a lógica e a razão, porque Deus, sendo infinitamente bom e infalível, criador de todas as coisas, não poderia ter gerado filhos destinados ao sofrimento eterno porque então seria mau ou teria falido. Nem demônios nem anjos são seres à parte na criação, mas espíritos já muito evoluídos ou ainda muito atrasados. A própria palavra demônio vem do grego daimon, que significa gênio, bom ou mau. Um dia, levado pela dor e pela experiência, ele se modificará, trilhando os caminhos do bem e assim, após quitar com o sofrimento e o amor seus débitos do passado, se transformar em espírito definitivamente feliz e sábio, conquistando a angelitude.

Em O Livro dos Espíritos, se aprende que penas e gozos são inerentes ao grau de perfeição espiritual. Espíritos enxameiam por toda parte no astral que circunda o Planeta. Em A Caminho da Luz, Emmanuel e Francisco Cândido Xavier, em 1938, estimavam em mais de 20 bilhões os espíritos nessas regiões. Como Deus cria constantemente espíritos, simples e ignorantes, para através do esforço próprio evoluírem até se tornar puros, sábios e ditosos, esse número, em 2013, 75 anos depois, seria maior ainda.

“Mestre – quiseram saber um dia seus seguidores – onde está o reino de Deus?” “O reino de Deus – respondeu o Nazareno – não vem com aparato exterior, nem se pode dizer: – ei-lo aqui, ei-lo ali! O reino de Deus está dentro de vós”. Da mesma forma, o umbral, purgatório, geena ou abismo, tenha o nome que tiver. Acrescenta o filósofo Huberto Rohden que, quando o homem tem dentro da alma a justiça e a paz, o amor e a caridade, está no meio do reino de Deus, porque dentro dele encontra o reino de Deus.

É muito interessante lermos no livro Chico de Francisco, de Adelino da Silveira, Francisco Cândido Xavier falando de aparições que teve de entidades das trevas:

1 – “Eu estava em casa, meu filho, quando à minha frente surgiu um espírito de forma indescritível! Seus pés eram de animal, suas mãos eram duas garras, sua face completamente deformada. Ele era muito forte, alto e me disse:

– Você me chamou? O que quer de mim?

Senti que o momento era decisivo, porque se dissesse a ele que não o havia chamado, ele se ofenderia e certamente me agrediria. Respondi que o havia chamado porque necessitava do seu auxílio, que eu estava sofrendo muito, que tudo estava muito difícil para mim, que ele tivesse piedade e me socorresse. Humilhei-me o mais que pude. Quando terminei o que externara com sinceridade, porquanto nunca senti em mim qualquer valor que merecesse destaque, ele falou:

– É, você não tem jeito mesmo. Mal a gente se aproxima, você já cai de joelhos…”

2 – “Em muitas ocasiões, antes do progresso que desfrutamos agora, depois de longa mensagem que eu escrevia à mão para enviar à Federação Espírita Brasileira, no Rio, surgiam ventos súbitos que penetravam por alguma janela e se concentravam, em redemoinho, sobre o tinteiro de que me servia, espalhando a tinta sobre o trabalho que me custara enorme esforço, anulando-me o serviço, por vezes, efetuado com os minutos possíveis de noites seguidas. Pouco a pouco fui compreendendo que eu estava numa guerra – a guerra do bem contra o mal – da qual não me cabia desertar.”

3 – “Os espíritos das trevas fazem tudo para atrapalhar quem quer trabalhar, mas os espíritos da luz, quando percebem a nossa boa vontade, nos auxiliam e vamos caminhando. Eu não posso pensar em mais nada, a não ser no livro espírita. Esses livros todos têm nascido em meio a enormes lutas. Mas é assim. Levantei-me que seja, o dia mal começou, já estou procurando lápis e papel, as ideias caem feito cachoeira no meu cérebro e eu tenho que escrever. Sinto-me como que arrastado, não posso resistir. E vai ser assim até quando Deus quiser (o médium psicografou 460 livros). Muitos amigos generosos me convidam para uma semana de férias na sua chácara ou fazenda, mas sei que, se aceitar, nem eu nem eles teremos as férias desejadas.”

4 – “Desde muito tempo, noto que a perseguição de falanges das sombras da ignorância é um movimento constante e sistemático que eu acredito venha atuando no mundo, contra a luz que o Cristo veio trazer-nos, a nós, os habitantes multimilenários do Planeta. Elas se revezam, através de numerosas reencarnações, como acontece a nós mesmos que nos revezamos, em vidas e vidas, procurando assimilar os ensinos do Divino Mestre e segui-los, o que certamente ainda nos custará encarnações numerosas. Desde muito tempo, noto que as nossas reuniões evangélicas para o intercâmbio espiritual, do ponto de vista global – encarnados e desencarnados – são um combate travado entre as luzes e as trevas, no qual, por misericórdia do Senhor, somos defendidos e guardados por vigorosas legiões de espíritos benfeitores, que nos sustentam para a extensão da Luz e do Bem que o Cristo nos trouxe.”

5 – No livro Chico Xavier, Mandato de Amor, editado pela União Espírita Mineira, José Martins Peralva Sobrinho conta:

“Um grupo de espíritos penetrou em seu quarto, fazendo ameaças. Emmanuel, vigilante como sempre, apareceu e recomendou a Chico humildade e delicadeza, aconselhando-o a olhar para os pés dos visitantes. Chico obedeceu e surpreendeu-se. Aqueles espíritos de bom aspecto pessoal tinham pés caprinos!”

(Jávier Godinho é jornalista)